Partes de um motor onde se utiliza fluido hidráulico

O fluido hidráulico é o responsável pelo transporte de energia em sistemas hidráulicos. Por sua vez, um sistema hidráulico é um processo de transporte de energia que tem como princípio a transmissão de pressão e vazão através de um fluido. Em alguns casos, o fluido hidráulico pode servir também como lubrificante.

Os fluidos hidráulicos podem ser de base mineral (HLP) ou de base sintética biodegradável (HEES). Embora os fluidos biodegradáveis tenham propriedades menos nocivas ao ambiente, atender NR-15 e, frequentemente, melhores características técnicas, seu uso ainda é restringido pelo elevado custo do produto. Por isso, é mais comum encontrar óleos minerais com alto grau de refino no mercado.

As recomendações para a melhor escolha do fluido hidráulico dependem do tipo de sistema adotado – sistemas de potência ou de transporte de fluidos. Veja no post a seguir, cinco dicas você escolher o melhor óleo hidráulico para cada situação.

1. Observe quais requisitos precisam ser atendidos pelo fluido hidráulico

A primeira informação a ser adquirida a respeito do óleo hidráulico é sobre o objetivo de uso. Isto é, qual a finalidade da máquina em questão. É importante notar que o fluido hidráulico tem diversas funções no sistema:

  • Lubrificação das partes móveis do equipamento;
  • Amortecimento de oscilações de pressões;
  • Proteção contra a corrosão e desgastes;
  • Redução do atrito metal-metal;
  • Transmissão de forças;
  • Refrigeração;
  • Limpeza.

Porém, o fluido terá propriedades diferentes conforme a finalidade produtiva. Ou seja, um fluido hidráulico de um trator agrícola precisará ter características diferentes das máquinas utilizadas em automação industrial de linhas de montagens de automóveis, por exemplo.

2. Verifique a viscosidade requerida para o fluido hidráulico

A viscosidade é a principal característica a ser avaliada no momento da aquisição do fluido hidráulico. Define-se viscosidade como sendo a resistência de um óleo ao escoamento. Essa informação é indispensável tanto para a lubrificação industrial, quanto para os sistemas hidráulicos.

A viscosidade é a propriedade que garante que o contato metal contra metal ocorra, pois indica a espessura da película protetora que o óleo hidráulico será capaz de formar. Em linhas gerais, altas e baixas viscosidades do óleo hidráulico terão as seguintes consequências:

Alta viscosidade

Baixa viscosidade

Maior dificuldade na sucção das bombas (cavitação);

Maior escoamento

Perda de carga mais acentuada

Maiores vazamentos

Lenta reação aos acionamentos

Resposta rápida aos acionamentos

Dificuldade de eliminação de bolhas de ar

Menor ação lubrificante

Vazamentos relativamente reduzidos

Maior desgaste entre as peças

Maior ação lubrificante

 

Assim, o que determina a viscosidade do fluido hidráulico é o tipo de bomba a ser utilizada no projeto do sistema. Além disso, esse óleo atua como um lubrificante hidráulico, minimizando os desgastes entre as partes internas do sistema hidráulico.

A norma ISO 3448 traz os parâmetros para o índice de viscosidade em lubrificante industrial e fluidos hidráulicos. Verifique qual é o grau de viscosidade requerido para sua máquina antes de adquirir o óleo.

3. Leia as recomendações do fabricante do equipamento

Para a lubrificação industrial, a recomendação do fabricante do equipamento é a base de toda a decisão de compra de lubrificante hidráulico e outros fluidos. As informações trazidas incluem o tipo de fluido que a máquina requer, tal como o nível de desempenho do fluido hidráulico ou a classificação da viscosidade.

Essas informações ajudam a fazer uma escolha que combine as propriedades do produto com os requisitos dos equipamentos, de modo a otimizar o uso das máquinas e trazer excelentes níveis de produtividade para a operação envolvida. Em outras palavras, seguir as recomendações dos fabricantes ajuda a prolongar a vida útil do equipamento.

4. Avalie a contaminação do fluido hidráulico

Estima-se que cerca de 75% das falhas em sistemas hidráulicos ocorrem pela presença de contaminação no fluido hidráulico. Desse modo, é importante verificar se não existe contaminação do fluido e assegurar-se de tratar de óleo novo.

Fluidos hidráulicos recuperados, tendem a apresentar elevado nível de contaminação se comparado com os fluidos que são novos, além de possuírem odores mais fortes e coloração mais escura devido a oxidação do produto.

No caso dos óleos recuperados (usados), é preciso realizar análises do produto, afim de  conhecer a qualidade do óleo hidráulico.

A contaminação do fluido hidráulico pode ocorrer em razão do contato do reservatório de óleo com ambientes empoeirados ou durante a troca de filtros. A presença de partículas sólidas, água ou ar no óleo hidráulico pode causar danos irreparáveis ao sistema.

As partículas de poeira são muito abrasivas, o que significa que irão aumentar os desgastes entre as partes móveis do equipamento onde estiverem inseridas. Com isso, haverá redução na eficiência do sistema hidráulico, diminuindo também a produtividade do equipamento em campo e causando entupimentos.

A presença de bolhas de ar pode ocasionar cavitação nas bombas do sistema hidráulico, um problema gravíssimo que, quando ocorre, frequentemente requer a substituição total da bomba. Isto é, gera prejuízos financeiros e atrapalha a operação.

Atualmente, a norma ISO 4406 regulamenta os níveis aceitáveis de contaminação dos fluidos hidráulicos. Verifique quais são os limites aceitáveis para o tipo de óleo que você pretende adquirir bem como a necessidade da instalação de filtros e micro filtros em pontos estratégicos do sistema hidráulico.

5. Analise o benefício-custo

Como toda atividade econômica, a lubrificação industrial requer a análise do custo-benefício. O lubrificante hidráulico é de extrema importância para a manutenção da produtividade e lucratividade da operação que envolve a máquina hidráulica. Por ser tão estratégica, a escolha do fluido hidráulico apropriado não deve basear-se apenas no menor preço.

No caso de equipamentos hidráulicos, o clichê “o barato sai caro” pode ser desastroso. Falhas em sistema de grande porte como os envolvidos em operações de mineração, por exemplo, podem levar a prejuízos de milhões, além de aumentar as chances de acidente de trabalho.

A decisão final deve basear-se em parâmetros técnicos e financeiros, porém sem comprometer a segurança no trabalho e nem arriscar a saúde dos equipamentos.

Portanto, o fluido hidráulico deve ser escolhido conforme o tipo de sistema onde irá operar. É indispensável, também, conhecer a finalidade produtiva. A característica físico-química mais importante de ser avaliada é a viscosidade do óleo, pois ela é determinante na capacidade lubrificante do fluido hidráulico, que tem múltiplas funções.

Agora que você já sabe como escolher corretamente o óleo hidráulico para a sua operação, conheça os dois tipos mais comuns de óleo hidráulico.